Indústria portuguesa e competitividade foram temas do FF Meeting

 

Indústria portuguesa e competitividade foram temas do FF Meeting

25/09/2018

Nesta segunda-feira (24), na sede do IBTeC, integrando a Semana do Calçado, foi realizada ação do projeto FF Meeting, que iniciou com apresentação de Neori Paim, da Master Equipamentos Industriais, sobre a indústria de calçados portuguesa. Destacou que este país tem produção anual de 83 milhões de pares, principalmente de couro, com 95% sendo exportada. Apresentando-se como indústria tradicional, com visão futurista, pretende aumentar a produção em 25% a 30% até 2020.

Neori observa que as visitas a fábricas de sapatos de Portugal evidenciaram um sistema de produção semelhante ao brasileiro, com predominância de lotes menores. Quanto à automação, destacou que ela está mais presente na entrada e na saída da fábrica. Salientou ainda a preocupação dos portugueses em atrair os jovens para a indústria calçadista, o que pode ser alcançando principalmente através de um espaço aberto para a criatividade.

No segundo momento, Carlos Alberto Fadul Corrêa Alves, da Fundação Certi, que, antes de pensar em Indústria 4.0, é necessário que a empresa faça o dever de casa e saiba o que precisa para competir globalmente. Neste sentido, sublinhou que deve ser observado se é possível fazer mais com menos, fazer certo da primeira vez, trabalhar com inovação e sustentabilidade. Acrescentou que não basta um bom produto, sendo necessário ter um bom processo. Sem isto, a empresa não será competitiva. Afirmou ainda que inovação não adianta nada se não adicionar competitividade à empresa.

Nesta linha de pensamento, Fadul enfatizou que “o primeiro ponto é saber com quem eu quero competir e qual o custo que preciso ter para isto. Então, somente interessa a indústria 4.0 nos pontos em que ela contribuir para que este objetivo seja alcançado”. Finalmente, o palestrante recomendou que o fabricante de máquinas seja o consultor para que sejam alcançadas redução dos custos na produção de sapatos.

Ao final, houve um debate, com a participação de Carlos Martini, coordenador do GT Indústria 4.0 do Conselho de Inovação e Tecnologia – CITEC (FIERGS), mediado por Marlos Schmidt (presidente da Abrameq), e também com os palestrantes Neori e Fadul.

O presidente da Abrameq finalizou o debate pedindo maior engajamento e valorização das empresas nas ações das entidades. Afirmou que o setor calçadista brasileiro deve ser protagonista e referência nessa nova revolução industrial, pois há potencial para isso.

A organização do evento foi da Abrameq, através do Future Footwear, parceria das entidades do complexo coureiro-calçadista (Abicalçados, Abrameq, Assintecal e CICB), que busca entender e reestruturar as empresas para o futuro da indústria.